Experiência no varejo: como APIs conectam o mundo físico ao digital

APIs são as pontes que ligam tudo o que é feito por meio das aplicações. Quando falamos em APIs para o varejo, por exemplo, pensamos em buscas feitas em grandes sites de e-commerce.

Antigamente, a busca se limitava apenas ao inventário do próprio negócio. Hoje, o sistema de marketplace, por exemplo, usa APIs para interligar a palavra-chave usada por um consumidor aos estoques de diversas lojas virtuais.

O uso das APIs acontece não apenas no mundo digital: cada vez mais as aplicações estão ligando o virtual ao físico. Tecnologias como a realidade aumentada e virtual utilizam-nas para conectar os comandos dados no mundo físico com as operações virtuais. Pode parecer algo futurístico, mas essa realidade está cada vez mais próxima e já existem diversas experiências de API no varejo.

Neste texto, vamos mostrar o que é uma API, como ela está presente na vida dos profissionais do varejo ou e-commerce e como algumas empresas já utilizam-nas para facilitar a experiência do usuário.

O que é uma API?

Sigla para Application Programming Interface, ou Interface de Programação das Aplicações, é um conjunto de ferramentas usado para interligar processos ou aplicativos. Eles ligam uma interface aos sistemas internos de uma aplicação. 

Esses recursos funcionam como elos entre softwares e aplicações, permitindo que eles conversem entre si e facilitando a disponibilização e troca de informações.

Voltando ao exemplo do e-commerce, uma API pode tanto interligar o estoque de diversas lojas virtuais como ser usada para implementar um sistema de pagamento ou carrinho de compras.

A principal vantagem de usar uma API para negócios é a possibilidade de escalar os processos da sua empresa. Ou seja, ser capaz de atender às demandas conforme o negócio cresce.

Mercado Livre: como a plataforma usa API para se integrar a varejistas parceiros

Um dos melhores exemplos de uso de APIs veio do Mercado Livre. A plataforma, uma das maiores na área de e-commerce, desenvolveu uma maneira de construir uma rede de integração entre as lojas virtuais de seus parceiros.

Com a API, toda vez que um parceiro atualizar o estoque em suas próprias páginas, será atualizado automaticamente no Mercado Livre. Ou seja, há um claro ganho de produtividade e redução de erros, pois ter de atualizar seu estoque manualmente toda vez que alguém compra em alguma das lojas é demanda tempo, mão de obra e gera uma grande propensão a erros.

Como APIs podem conectar o mundo físico ao digital?

O primeiro exemplo de APIs que conectam o mundo físico ao digital são os QR Codes. Você já deve ter visto um deles em outdoors, pontos de ônibus ou estações de metrô. Esses códigos podem ser lidos por um aplicativo que acessa a câmera do seu celular. Ao serem capturados, podem apresentar informações, ofertas, vídeos, entre outros tipos de interação.

O uso de QR Codes já pode ser considerado simplório. Tecnologias como a Internet das Coisas (IoT) são algumas das que mais usam as APIs para conectar o mundo virtual ao real e fazem parte da transformação digital em empresas.

Um exemplo de como objetos comuns podem melhorar seu uso por meio da tecnologia veio de uma startup espanhola. Eles desenvolveram um chip com sensores que é embutido nos carrinhos de compra ou cestos em supermercados.

Esses pequenos chips são responsáveis por oferecer informações de uso dos clientes. Por exemplo, qual rota costumam tomar pelo mercado, se estão encontrando as ofertas especiais e se estão comprando. Parece algo simples, mas as informações transmitidas por meio de uma API podem fornecer insights importantes para os setores de marketing e logística de um negócio.

Bancos digitais: utilização de APIs em procedimentos de segurança

Outro exemplo comum vem dos bancos digitais. Boa parte deles usa APIs para seus procedimentos de segurança. Por não contar com agências físicas, a abertura de conta é feita toda pelo celular, o que exige algumas precauções.

Uma delas é confirmar a identidade do cliente que está disposto a abrir uma conta. Por meio da câmera do seu celular, é possível solicitar uma selfie com um documento. A partir daí, as informações passam pela API de reconhecimento facial, que é usada para fazer a análise do cadastro.

Por que as APIs são importantes para o varejo?

Toda loja virtual que queira aumentar o número de vendas e o engajamento com seus clientes precisa oferecer diferentes meios de pagamento. Por isso, não é possível ter um e-commerce sem utilizar APIs, visto que são as principais formas de conduzir a experiência no varejo.

São elas que vão  fazer com que seu sistema de estoque se comunique com o sistema de pagamento ou com o carrinho de compras. Isso sem contar o cálculo de frete e as próprias buscas, como mencionamos ao longo do artigo.

Como as APIs facilitam a criação de um negócio multicanal?

Ter um negócio multicanal significa alcançar potenciais clientes independentemente do canal que estejam usando em um determinado momento. Hoje, dificilmente uma loja física ou virtual vende apenas por um canal.

Uma pesquisa feita em 2016 revelou que 47% dos consumidores compram ao menos uma vez por semana de um negócio que esteja presente em mais de 10 canais. Em contrapartida, apenas 21% compram de lojas virtuais que marcam presença em até quatro canais.

Isso acontece porque os consumidores costumam navegar por diversos canais antes de finalizar uma compra. Alguém que viu um anúncio do Facebook pode clicar para ver uma landing page, fazer buscas no Google por reclamações, assinar sua newsletter e tentar conversar com seu negócio por meio do WhatsApp.

Esse consumidor, inclusive, pode decidir por visitar sua loja física antes de comprar. Sabe como você pode conduzi-lo até lá? Incluindo uma API integrada ao Google Maps no seu site para que aprendam o caminho.

Desse modo, o consumidor conduz sua própria jornada, mesmo que táticas como a do funil de vendas ainda sejam efetivas. Ajudar a se adaptar a essa nova jornada é o papel da tecnologia no varejo omnichannel.

Supergasbras: um case da DTM que integra o físico com o digital

Um dos exemplos que podemos citar no uso de API para conectar o mundo físico ao digital é o da Supergasbras. Nosso desafio era desenvolver uma maneira de integrar todo o sistema de pedidos, entregas e atendimento.

Ao mesmo tempo, o programa deveria ser capaz de encontrar o revendedor mais próximo para organizar a entrega. Ou seja, era necessário integrar três sistemas diferentes: os canais de vendas, o sistema de distribuição dos pedidos para revendedores e a central administrativa, responsável por administrar as solicitações e responder reclamações.

De maneira simplificada, o que uniu esses sistemas foi uma API de pedidos que faz a integração dos pedidos e envia as informações para a central administrativa e para a área de atendimento ao cliente.

Confira alguns exemplos de uso das APIs no varejo:

  • notificar clientes sobre novos itens ou produtos desejados: se contar com uma lista de desejos em sua loja online, as APIs podem notificar sobre ofertas ou se o produto voltou a ficar disponível. Também é possível usá-la para avisar sobre lançamentos assim que atualizar seu sistema;
  • ligar inventários entre plataformas: como falamos no exemplo sobre o Mercado Livre, você pode utilizar APIs para que todos seus inventários sejam atualizados simultaneamente;
  • analisar dados em lojas físicas: lembra que falamos sobre os carrinhos de compras com chips? Além de mostrar os caminhos que os clientes percorrem e se estão prestando atenção nas ofertas, os sensores desses objetos também podem analisar tudo o que foi colocado ou tirado dos carrinhos, oferecendo informações em tempo real para uma análise de dados mais fácil e ágil.

Por que o uso de APIs pode transformar o seu negócio?

Apesar de não ter o charme e a pompa de outras nomenclaturas que estão na moda, são as APIs que dão maior utilidade a elas. Não adianta implementar realidade aumentada no seu negócio se ela funciona apenas para mostrar os produtos na tela do celular.

Por mais útil que seja, sua única diferença é cosmética, se tornando apenas uma curiosidade. Criar APIs que levam informações sobre gosto dos usuários, produtos preferidos e até mesmo que permita que eles comprem um produto sem a necessidade de levar ao caixa é o que realmente faz a diferença.

Quer aprender mais sobre outras ferramentas que contribuem para a construção de aplicações mais inteligentes? Conheça mais sobre a  de microsserviços para os negócios.

Achou esse artigo útil? Então compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Cadastre-se gratuitamente para receber nosso conteúdo

© 2019 – Blog DTM Tec

Criado pela Kamus